Obstrução das artérias renais pode levar à pressão alta de difícil controle

download

Assim como ocorre com as artérias coronárias (coração), carótidas (cérebro) e femorais (pernas), a circulação dos rins também pode ser afetada por placas de gordura, cálcio e coágulos, que obstruem a passagem de sangue por sua artéria principal. Isso pode, com o tempo, comprometer a função dos rins e levá-los à atrofia, ou seja, diminuição de tamanho e mau funcionamento.

Segundo o angiologista Ary Elwing (CRM- 22.946), essa é uma das mais traiçoeiras doenças das artérias, pois normalmente não causa dor. Quando aparece, o sintoma mais comum é uma dificuldade no controle da pressão arterial que tende a ficar excessivamente alta, mesmo com uso de vários remédios em doses máximas. “À medida que a doença avança, surgem alterações nos exames de sangue que mostram mal funcionamento dos rins, culminando com a redução no tamanho destes órgãos, podendo levar a sua perda e até à necessidade de diálise em casos terminais”, explica Elwing.

O grupo de pacientes mais afetados é uma constante quando se trata de placas de ateroma (aterosclerose), mas em relação às artérias renais, há uma incidência maior em diabéticos e hipertensos. Os fumantes também estão entre os mais afetados e os jovens expostos aos fatores de risco não são poupados. Principalmente quando ocorre em pacientes abaixo dos 40 anos, deve-se investigar as artérias renais, através de um exame de ultrassonografia Doppler. Caso o diagnóstico seja estabelecido, exames mais apurados são necessários para definir o tratamento.

O melhor tratamento é a prevenção através do controle dos fatores de risco e identificação precoce das primeiras alterações. Quando o nível de obstrução é severo e compromete mais de 70 a 80% do vaso, é recomendável intervir. “Atualmente, as angioplastias (dilatação da artéria com minúsculos balões, catéteres e stents) através da virilha ou do braço têm bons resultados e são seguras quando feitas por um profissional experiente. Hoje, as cirurgias abertas através de pontes têm papel limitado”, diz o especialista.

Quando é necessária a intervenção com catéteres (angioplastia), esta é bem tolerada, mesmo em idosos, pois pode ser feita com anestesia local e sedação. O paciente permanece em observação por 24 horas em relação aos níveis de pressão, vigilância do local da punção (virilha ou braço) e condições da urina. “O tratamento tem por objetivo impedir a perda do rim, melhorar sua função e auxiliar no controle da pressão arterial, podendo em alguns casos haver redução da quantidade de medicamentos usados para seu controle”, explica.

Anúncios

Sobre Guilherme Derrico

Jornalista, músico e viciado em esportes. Sejam todos bem-vindos ao mundo de Derrico. Um abraço!
Esse post foi publicado em Reportagens, Saúde. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s